unsplash - pixabay - literatura de viagens

UMA ANCIÃ DE ESPÍRITO JOVEM

Você a conhece?

Ela deve ter alguns milhares de anos. Pelo menos, é isso que aparenta à primeira vista. Quem de longe a observa, usando todos aqueles chapéus e ornamentos à moda antiga, pode considerá-la uma senhora de idade avançada. Mas nunca uma velha.

Leva algumas marcas do tempo, é verdade. Dá para ver que ela já passou por muita coisa. Dizem que na juventude, ela fazia sucesso entre os boêmios e chegou a receber visitas e elogios vindos de toda parte da Europa.

Mas também teve seus maus momentos. Seu temperamento irascível a fez, mais de uma vez, atirar alguns de seus amantes pela janela. Chegou a ser vítima de um incêndio e também participou de guerras e revoluções. Inclusive, foi após a última, que ela se divorciou. E foi aí que começou a remoçar.

Deixou de lado seus costumes comunistas. Revelou seu lado dançante. Mostrou-se muito dada às artes, à música e à cultura, em geral. Talvez seja isso que a mantenha tão viva, tão jovem, tão pulsante.

Ela tem um jeito enrolado de falar, adora um bom presunto e uma cervejinha (aliás, cervejinha é eufemismo) e haja animação para aguentar o pique dela. É música, é festa, é feira… ela tem sempre uma novidade.

É certo que, se examinarmos de forma detalhada, suas artérias, hoje, devem estar bem mais entupidas que antes. Que o diga a Ponte Carlos – sua artéria principal, que tem um fluxo contínuo de artistas, moradores e turistas.

Ponte Carlos – EdgarBaranyC/flickr

Mas como seria diferente se ela tem um coração tão grande? Seu coração é o maior antigo castelo do mundo. Com mais de 72,5 mil m2, bombeia gente para todos os lados: gente que a anima e movimenta; gente que a mantém sempre desperta; gente que vive por ela ou que só a admira vez em quando; gente que hora e outra se vê obrigada a parar para olhar o relógio…

o maior antigo castelo do mundo – klausdie/pxb

E talvez esteja aí o segredo de toda a juventude dela: seu relógio não conta o tempo. Pelo menos, não como a maioria está acostumada a contar. Não; seu relógio conta histórias, conta sobre a movimentação dos astros, conta a todos que, não importam os anos ou a idade, Praga é uma anciã de espírito jovem.

Relógio Astronômico de Praga – Susbany/pxb

Se gostou da história, confira as DICAS de viagem da Estante, comente e COMPARTILHE nas redes sociais. 

DICAS E COMENTÁRIOS DA ESTANTE:

alguns milhares de anos

O texto, como revelado ao final, é uma abstração da história de Praga até o tempo contemporâneo. De acordo com o cronista e historiador David Solomon Ganz, o local já seria conhecido desde o Paleolítico e o território teria sido estabelecido no século V a.C. pelo rei Boyya (Boiia) que batizou a região com seu nome, Boiinhaem – de onde derivaria o histórico território de Bohemia. Lendas indicam que a cidade de Praga em si foi fundada, nessa região, no século VIII, pela duquesa Libuše e por seu marido, Přemysl, fundadores da dinastia Premysl. (com informações da Wikipedia) Daí conclui-se que a cidade tem, pelo menos, 1.200 anos de existência, sendo a região habitada a milhares de anos.

todos aqueles chapéus

Uma das famosas alcunhas de Praga é “a cidade das cem cúpulas”, referindo-se às centenas de torres e cúpulas que coroam suas construções arquitetônicas. A vista panorâmica da cidade (possível a partir do Castelo de Praga) revela um skyline singular.

fazia sucesso entre os boêmios

A Bohemia é um território histórico, que ocupava boa parte da atual República Checa, desde sua fundação no século V a.C. (como mencionado no primeiro comentário).  Seus habitantes eram os bohemios ou boêmios. Durante o Império Romano, formavam o Reino da Bohemia. Em seguida, durante a dinastia dos Habsburgos, foi a província da Bohemia. A denominação ainda subsistiu até 1993, quando o território passou a fazer parte da República Checa, em sua unificação.

atirar alguns de seus amantes pela janela

Referência aos dois episódios conhecidos como Defenestrações de Praga. Em 1419, ocorreu a primeira, após a morte de Jan Hus (reformador da igreja condenado como herege), seus seguidores teriam atirado pela janela membros do conselho da cidade. Foi o estopim para as prolongadas guerras hussitas (que duraram até 1436). Dois séculos depois, em 1618, membros protestantes da nobreza Boêmia, revoltados com as proibições da igreja católica, jogaram pela janela do palácio real de Praga, os representantes do sacro imperador romano-germânico Fernando II, o que acabou por dar origem à Guerra dos Trinta Anos.

vítima de um incêndio

Em 1689, Praga foi devastada por uma grande queimada. Incendiários, supostamente franceses, começaram com o fogo perto da rua Kaprová, na Cidade Velha. As chamas espalharam-se, destruindo cerca de dez sinagogas e mais de 300 outras construções nas imediações. Após o incêndio, as áreas afetadas foram reconstruídas e renovadas.

guerras e revoluções

Só para citar algumas, Praga participou das guerras hussitas, da Guerra dos Trinta Anos, além de ambas as Guerras Mundiais (sofrendo, inclusive, bombardeios durante a II Guerra). A cidade ainda tomou parte em diversas batalhas e revoluções, como as conhecidas Batalha de Praga, a invasão das tropas do Pacto de Varsóvia após a Primavera de Praga e a Revolução de Veludo. Apesar de tudo, a cidade conserva grande parte de sua arquitetura preservada, com construções que mesclam diversos estilos arquitetônicos, do gótico ao renascentista, passando pelo barroco e pelo Art Nouveau, entre outros.

ela se divorciou

Desde a Primavera de Praga, em 1968, a cidade já demonstrava uma mudança de atitude. Em 1989, após a queda do Muro de Berlim, estourou em Praga a Revolução de Veludo, dando impulso à essa transformação. Enfim, em 1993, com a separação de checos e eslovacos, Praga deixou de ser a capital da Checoslováquia e passou a ser capital da República Checa. A sentença faz referência a essa separação de Estados.

Revelou seu lado dançante

Referência à Casa Dançante uma das mais recentes atrações turísticas de Praga, idealizada e construída pelos arquitetos Frank Gehry e Vlado Milunić, entre 1992 e 1996. Originalmente denominada de Fred e Ginger, a estrutura é formada por dois prédios de estilo desconstrutivista que, unidos um ao outro, realmente parecem estar dançando. A Casa Dançante foi edificada no local de uma outra casa, destruída no bombardeio de Praga em 1945. O monumento, além de chamar atenção por sua arquitetura arrojada, marca uma era de transição da cidade, abarcando a mudança do regime comunista para a democracia parlamentar e a subsequente divisão do Estado checo.

um bom presunto e uma cervejinha

Com influências alemãs e austríaca, a culinária checa dá destaque para as carnes. Entre os pratos típicos, um dos mais famosos é o Presunto de Praga (Pragerschinken), que pode ser encontrado em barraquinhas pela rua, servido defumado em grandes nacos, ou, em versões mais requintadas, recheado com nata ou com pepinos, por exemplo.

Além disso, o país lidera o ranking de consumo de cerveja por pessoa (à frente da Alemanha e dos EUA). Como uma cidade de bons bebedores, Praga tem pubs por todos os cantos, muitos inclusive com fabricação própria de cerveja. O comum é beber em canecas de 500 ml e não tão gelada como no Brasil, mas há também canecas de 300 ml e, em geral, é possível escolher a gradação alcoólica da bebida (normalmente, entre 8 e 12%).

ela tem sempre uma novidade

Praga é ainda uma cidade menos desejada que Paris, mas já é considerada por muitos como um dos destinos mais bonitos e charmosos da Europa (milhões de turistas visitam a capital checa todo ano). E não é à toa. A cidade sempre foi (e continua sendo) um dos principais centros políticos, culturais e econômicos da Europa Central; concentra uma mescla arquitetônica singular, preservada, de diversos períodos históricos (cheia de catedrais, sinagogas, torres e pontes ornamentadas); além disso, é uma cidade vibrante e moderna, repleta de música, arte, cultura, gastronomia e eventos especiais; excêntrica em seu espírito e cheia de energia.

Ponte Carlos

Entre as várias pontes que atravessam o rio Vltava, essa é a mais famosa, principal conexão entre a Cidade Velha (Staré Město) e a Cidade Pequena (Malá Strana). Construída no ano de 1357, pelo arquiteto Petr Parléř, durante o reinado de Carlos IV, a ponte de 520 m é ornamentada por uma série de estátuas de santos católicos, alinhadas de ambos os lados, contando parte da história religiosa checa. Normalmente, uma multidão de turistas, artistas de rua e vendedores ambulantes animam o local, que se torna ainda mais bonito com a iluminação do entardecer.

o maior antigo castelo do mundo

Ocupando uma área total de 72.5 mil m2, o Pražský hrad é considerado pelo Guiness Book como o maior antigo castelo do mundo. Localizado em uma alta colina, a fortificação, antigamente, dominava a região, permitindo controlar todas as embarcações que passavam pelo rio Vltava. Hoje, a vista panorâmica da cidade que se tem dali ainda é um dos pontos altos da visita. No interior do castelo também há alguns palácios e museus interessantes, além do belíssimo Jardim Real. E de hora em hora acontece a troca da guarda presidencial.

seu relógio não conta o tempo

Denominado Orloj, o relógio astronômico medieval montado na parede da Prefeitura Municipal (Cidade Velha) é uma das joias da cidade. A estrutura possui um mostrador-calendário e um mostrador-astronômico, com representações zodiacais e da posição do Sol e da Lua no céu. E a cada troca de hora há um show mecânico das esculturas do relógio, a chamada Caminhada dos Apóstolos, que ocasiona a concentração de centenas de turistas em frente ao local, para assistir ao espetáculo.

Relógio Astronômico de Praga – Estante de Viagens

 

Leia mais sobre Praga

Divirta-se com esta crônica hilária:

Entalada em Praga 

 

Se gostou da história, comente: