suiça_ literatura de viagem

ODE À SUÍÇA

Um passeio em forma de verso.

Quem nunca quis conhecer a Suíça

que atire o primeiro chocolate.

De bancos e relógios à paisagem que enfeitiça,

há sempre algo no país que a todos arrebate.

Zurique – Suíça – Estante de Viagens

Pode ser Berna, Genebra, Lugano ou Zurique.

Escolha um idioma com que você se identifique.

Você pode, por exemplo, andar de pedalinho pelo Limmat.

Ver os Alpes e a cidade, com bandeiras a flamejar.

Suíça – createsima – freeimages

Um programa ultrarromântico para fazer em casal.

Mas conte bem os minutos para ir e voltar.

Não esqueça que os suíços são um povo pontual.

Um país cheio de contrastes, pelo qual eu me derreto.

E tenho certeza que você também vai se apaixonar.

Afinal, a Suíça é tão grande que não cabe num soneto.

Se gostou da história, confira as dicas de viagem da Estante, comente e compartilhe nas redes sociais. 

DICAS E COMENTÁRIOS DA ESTANTE:

cantinho especial de Zurique – Suíça – Estante de Viagens

Se gostou da história, confira as DICAS de viagem da Estante, comente e COMPARTILHE nas redes sociais. 

DICAS E COMENTÁRIOS DA ESTANTE:

chocolate

Não dá para negar que o chocolate é uma tradição suíça (os suíços são também os maiores consumidores do mundo, cerca de 12 kg ao ano, enquanto os brasileiros, para se ter uma ideia, consomem apenas 2 kg ao ano aproximadamente). Alguns chegam a afirmar que o chocolate suíço é o melhor do mundo.

Mas a afirmação é válida principalmente para o chocolate ao leite – invenção suíça. Aliás, o leite é outro destaque do país (usado também na fabricação dos deliciosos queijos suíços) e também fazem sucesso as suas produtoras, as vacas, que figuram como personagens de alguns cartões-postais e são muito bem tratadas, criadas em ótimos pastos e com muitos mimos (há até um concurso de miss vaca ao longo do ano).

Além da qualidade do leite, o alto padrão do chocolate suíço é consequente também da rígida legislação que incide sobre sua produção, permitindo a adição máxima de 5% de gordura vegetal que não seja manteiga de cacau. Vale a pena ir além do Milka e experimentar também marcas como Lindt, Toblerone, Cailler, Alprose e Maestrini.

bancos e relógios

Internacionalmente famosos, os bancos suíços contam, por lei, com sigilo fiscal (têm direito de não revelar quem são seus clientes) e atraem, por isso, milionários do mundo inteiro, sendo uma grande fonte de riqueza do país.

Os relógios são outro clichê suíço, uma arte tradicional desde o século XVI, quando o reformador Calvino proibiu o uso de joias e qualquer ostentação de riqueza e os ourives locais descobriram na relojoaria uma nova opção. Posteriormente, empresas suíças como Rolex e Swatch foram responsáveis por inovações do setor como o relógio à prova d’água, o relógio de quartzo analógico e o relógio de pulso automático. Atualmente, mais de 90% da produção de relógios do país concentra-se no Watch Valley – o país da precisão – uma via relojoeira de aproximadamente 200 km com famosas fábricas de relógios e museus especializados.

Escolha um idioma com que você se identifique

Localizada bem no centro da Europa, a Suíça é um país em que se falam quatro idiomas principais – conforme a região -, além de alguns dialetos. Na porção central, norte e nordeste da Suíça, o idioma é o alemão. À oeste, é falado francês. Em uma porção sudeste, predomina o italiano. E em dois cantões ao leste, fala-se ainda o romanche (rético ou brisão), idioma proveniente do latim vulgar. A Constituição Suíça estabelece a igualdade de idiomas, a liberdade dos cidadão em escolher a língua, a territorialidade das línguas e a proteção às línguas minoritárias. Entre as cidades citadas no poema, em Berna e Zurique, fala-se alemão. Em Genebra fala-se francês. Em Lugano, fala-se o italiano. E destaca-se na zona romanche, a cidade de St. Moritz.

andar de pedalinho pelo Limmat

O rio Limmat é onde desemboca o Lago de Zurique, que atravessa a cidade e é considerado um dos mais importantes lagos e o mais limpo do país. Em suas margens, ao longo da cidade, há inúmeras grifes famosas, algumas lojas de souvenirs, além de serviços turísticos como o aluguel de barcos e pedalinhos. Navegar pelas águas do Limmat, seja qual for a embarcação, proporciona uma panorâmica diferenciada da cidade, de suas igrejas, torres e bandeiras, complementada pela idílica visão dos Alpes.

bandeiras a flamejar

Em Zurique, chama a atenção a quantidade de bandeiras nacionais expostas em prédios e em vias públicas, demonstrando o grande nacionalismo do país.

Mas conte bem os minutos para ir e voltar

A pontualidade suíça pode não ser tão mencionada quanto a britânica, mas é uma realidade. Com uma educação e uma mentalidade diferentes, o povo suíço está mais habituado a seguir regras e normas, podendo ser considerado bastante prático e rigoroso, principalmente quando se trata da população de língua alemã. O atraso de alguns minutos no pedalinho em Zurique, por exemplo, como citado no poema, é cobrado, sem desculpas nem jeitinho.

Um país cheio de contrastes/a Suíça é tão grande que não cabe num soneto

Se comparada à Alemanha ou à França, a Suíça é um país de pequena extensão, mas impressiona pelos contrastes. Além dos quatro idiomas que se falam oficialmente no país, a própria cultura de cada região é diferenciada. Encontra-se da seriedade alemã a calorosidade italiana, de paisagens pacatas a cidades badaladas, de esquis e charretes nas montanhas ao clima de cidade cosmopolita.

2 comentários sobre “ODE À SUÍÇA

Se gostou da história, comente: