michelangelo_literatura de viagem

DE FLORENÇA, COM AMOR.

E alguma culpa.

Oi mãe,

Que saudade! Você nem imagina. Quer dizer, você é mãe, deve imaginar, né?!

To no trem para Milão. E de lá já vou pegar o voo de volta para o Brasil. Deu tudo certo, viu? Nem precisava ter se preocupado tanto. Foram 30 dias sem o seu feijão e sem ter quem lavasse as minhas meias. Mas o mochilão pela Europa valeu muito a pena. Vi, descobri e aprendi muita coisa.

Só que essa carta é, na verdade, uma confissão. Fica calma! Eu não matei ninguém, não usei drogas pesadas nem deixei um filho por aqui. Estou só com a consciência um pouco pesada… Explico:

Eu estava em Florença, a capital da Toscana. [Aliás, que cidade fantástica. Você precisa conhecer, mãe. O berço do Renascimento italiano. Deve ter, pelo menos, uns 30% de todo o patrimônio artístico do mundo por lá. As ruas estreitas, os palácios ocres, as lambretas, os jardins, as igrejas; você ia se apaixonar por tudo] Eu também me apaixonei pela cidade (como tantas outras nessa viagem). Na véspera da partida, fiquei até tarde na Piazzale Michelangelo apreciando a vista panorâmica, a Ponte Vecchio, a Torre di Arnolfo no Palazzo Vechio, a cúpula do Duomo e o topo da Basílica de Santa Croce

 

vista noturna de Florença desde a Piazzalle Michelangelo – JohnMartinezAvialMcCrae – 500px(CC-BY-NC-ND)

Fui dormir tarde e acordei atrasado. Já tinha comprado a passagem de trem de Florença para Milão e a passagem aérea de lá para o Brasil. Mas para chegar a tempo à Stazione Santa Maria Novella e pegar o trem, precisava pegar um ônibus. O problema é que, a esta altura, só me restava 1,5 euros e eu estava faminto. Lembrei-me de você falando que “saco vazio não para em pé”. Engoli uma pizza al taglio (em fatia) e tentei engolir a culpa que sentia junto. Entrei no ônibus.

Um parêntese, mama: aqui na Europa, não há cobradores na maioria dos transportes públicos. Geralmente, você compra um ticket ou um cartão antes de entrar no ônibus/trem/metrô e valida numa maquininha ao entrar no transporte ou – em alguns lugares – ao entrar e ao sair novamente. Com certa frequência, fiscais sobem a bordo e conferem se os tickets estão validados. Se não estiverem, multa e bronca. Pior, então, se você for estrangeiro. Mas naquele momento meu cartão estava zerado.

Sério, mãe, eu evitei isso a viagem inteira. Sei que a maioria diria que é coisa de brasileiro tirar vantagem dessas situações. E até vi muitos italianos entrarem e saírem do transporte sem nem se aproximarem da tal maquininha pra validar o biglietto. Mas o 1,20 euros da passagem eu tinha decidido gastar na pizza. Escolha minha, eu sei. Mas como diz o Homer Simpson, se a culpa é minha, eu a ponho em quem eu quiser. Enfim…

O ônibus saiu do bairro de Oltrarno, onde eu estava hospedado. Respirei fundo enquanto passávamos ao largo do Giardino di Boboli. Em seguida, cruzando ao lado da Basílica de Santo Spiritu, comecei a rezar para que os fiscais não aparecessem. Nunca rezei tão bem um Pai Nosso. Dali, atravessamos a ponte alla Carraia, vendo de longe a Ponte Vecchio. Eu mergulhei no assento com medo de ser percebido. Só depois, avistando a Basílica de Santa Maria Novella, percebi que estava salvo. Lá estava a estação de trem. Nada de fiscais. Ufa!

Santa Maria Novella – Florença – Estante de Viagens

Saí do ônibus sem pagar. Esse foi meu pecado, mãe. Mas pode guardar a bronca para quando eu chegar aí. ‘To chegando. E você vai ter, pelo menos, um motivo para se orgulhar do seu filhão: aprendi a lavar minhas próprias meias. E vi quanto trabalho dá. Obrigado, mãe. Te amo.

Até logo.

 

P.S.: Na próxima viagem, prometo planejar melhor meus gastos até o último dia.



Se gostou da história, confira as dicas de viagem da Estante, comente e compartilhe nas redes sociais. 

 

DICAS E COMENTÁRIOS DA ESTANTE:

uns 30% de todo o patrimônio artístico do mundo por lá

De acordo com a Unesco, 60% do patrimônio artístico mundial está na Itália e metade dessas obras estão em Florença – a capital da Toscana, considerada ela própria como patrimônio artístico cultural da humanidade; cidade onde nasceu Dante Alighieri e viveram pensadores como Galileu e Maquiavel, que se tornou glorificada nas artes de Leonardo da Vinci, Michelangelo, Botticelli e Donatelo.

na Piazzale Michelangelo apreciando a vista panorâmica

A Piazzale Michelangelo – onde está uma reprodução do Davi, de Michelangelo, – conta com uma vista privilegiada da cidade. É um pouco afastado do Centro, mas a visitação é gratuita e o panorama indescritível compensa o esforço.

Ponte Vecchio

Um dos símbolos de Florença, a Ponte Vecchio (Ponte Velha) sobre o rio Arno foi construída ainda na época romana, mas foi por volta de 1700 que assumiu seu aspecto atual. Hoje, constituída de três arcos rebaixados, a ponte continua abrigando diversas ourivesarias e joalherias, agora, de paredes ocres e com janelas coloridas viradas para fora, que dão um visual deslumbrante ao local quando iluminado pelo sol ou pelas luzes noturnas.

Ponte Vecchio – Andrew Griffith – 500px

Torre di Arnolfo no Palazzo Vechio

Sede da prefeitura do município florentino, o Palazzo Vecchio (Palácio Velho) abriga um museu com obras de Agnolo Bronzino, Michelangelo Buonarroti e Giorgio Vasari, entre outros. Com acabamento externo rústico, feito em “pietraforte”, o Palácio é encimado pela Torre di Arnolfo, campanário onde se vê o relógio de 1667 ainda em funcionamento.

Duomo

A Catedral de Santa Maria Del Fiore começou a ser construída em 1296 e levou seis séculos para ficar pronta. Valeu a pena. A começar pelo magistral trabalho de mosaico em mármores coloridos em estilo neogótico que embeleza a fachada, certamente trata-se de uma das obras mais monumentais da cidade e do país.

Duomo de Florença – Estante de Viagens

Stazione Santa Maria Novella/Basílica de Santa Maria Novella

A primeira grande basílica da cidade está situada transversalmente a estação ferroviária de mesmo nome. É a principal igreja dominicana de Florença e conta com belíssimos afrescos de Michelangelo, Filippino Lipi e Masaccio.

pizza al taglio

Pizza al taglio é a pizza vendida em fatia. Saiba mais sobre as diferenças entre as pizzas Italiana e Brasileira em:

PIZZA

não há cobradores na maioria dos transportes públicos

Antes de entrar no transporte, você compra um tíquete ou um cartão (numa máquina, numa banca de jornal ou numa tabacchi, por exemplo) que pode ser temporário (válido por algumas horas, por um dia ou mais), pode ser recarregável e também pode ser integrado (quando o mesmo tíquete/cartão pode ser usado em diferentes transportes). Em alguns países você precisa validar o tíquete ou cartão ao entrar  no transporte (ou ao entrar e sair). Em outros países, basta que você tenha o tíquete ou cartão com você, em caso de fiscalização.

Giardino di Boboli

Localizado no Palazzo Pitti – um complexo de parques, museus e exposições – os Jardins de Boboli são, na verdade, um imenso parque repleto de obras de arte, fontes, estátuas e muito, mas muito verde. O bilhete de entrada dá direito a visitar os Jardins, o Museu da Porcelana e o da Prataria, a Galleria Del Costume, o Giardino Bardini e você ainda pode apreciar a curiosa Grotta Del Buontalenti.

Basílica de Santo Spiritu

Seu nome completo é Basílica de Santa Maria do Espírito Santo. Apesar da fachada menos adornada que a das demais igrejas, trata-se de um dos exemplos mais notáveis da arquitetura renascentista e, em seu interior, podem ser encontradas afrescos de Francesco Botticini, Andrea Sansovino e Fillipino Lippi, entre outros.

ponte alla Carraia

Chamada pelos florentinos de ponte corcunda, devido a sua curvatura acentuada com centro elevado e extremidades rebaixadas, a Ponte alla Carraia pode ser um bom ponto para observar e fotografar a Ponte Vecchio.

 

 

Se gostou da história, comente: