artistas de rua, comparativo, literatura de viagem, estante de viagens

ARTISTAS DE RUA PELO MUNDO

Vocês viram este novo plano de reforma do Ensino Médio? Parece que as aulas de Educação Física e de Artes vão deixar de ser obrigatórias…

O comentário feito inocentemente por Fred entre os amigos reascendeu a indignação que Laura já estava sentindo com a proposta.

Eu acho um absurdo! – começou Laura – Eles só pensam no lado profissional. Não estão nem aí pra nossa formação integral. Porque não podemos estudar cultura da América Latina, discutir feminismo, propostas políticas? Esse plano só pensa o sujeito como um profissional, e não como um ser político que se questiona sobre a sociedade.

Aos 17 anos, Laura demonstrava toda sua vivacidade e clareza na defesa de suas ideias. A irmã, Kamila, 27, continuou:

Ai, gente, o Brasil já investe tão pouco na educação política e cultural que chega a ser uma vergonha.

– É isso que eu digo. – disse Gabí, 30, entrando na discussão – A gente viaja por aí e consegue ver, até nas ruas, que esse incentivo à arte e à cultura costuma ser bem maior no exterior.

– E não precisa ir muito longe – respondeu Kami novamente – Eu fui pra Buenos Aires ano passado e tinha um monte de artistas de rua. Eu tenho uns vídeos aqui no celular, olha só:

– Esse foi na Calle Florida. – explicou Kamila – Eu nunca tinha visto este instrumento… parece uma nave espacial… E tem de tudo por lá. Olha estes aqui que filmei na Feira de San Telmo:

 

 

– Nossa, tem até piano e contrabaixo na rua. – admirou-se Ju, 30, que permanecera quieta até então. Subitamente despertada pelo emparelhamento dos temas viagem e cultura, a estudante de Naturologia resolveu participar da conversa:

Quando fui à Cidade do México também vi alguns artistas de rua. – continuou Ju – Inclusive, uns muito diferentes. Vocês conhecem a Dança do Voador da cultura Totonaca? Eles dançam de cabeça para baixo! Hehe. ‘Pera, eu tenho um vídeo aqui… é do finalzinho da apresentação, mas acho que dá pra entender:

– Puxa, é cada coisa que a gente vê, né. Hahaha. – enquanto comentava, Gabí já puxava o celular para mostrar também o seu exemplo – Olhem este aqui, em Milão. Eu ‘tava saindo da Galeria Vittorio Emanuele, quando ouvi uns gritos de criança. Andei uns metros e dei de cara com isto:

Todos caíram na gargalhada. Foi Laura quem continuou, agora já mais descontraída:

– Ah, mas esses fantasiados também são engraçados, vai. E de um jeito ou de outro,
esse tipo de artista de rua demonstra que existe no lugar alguma centelha de incentivo às artes cênicas. Em
Barcelona, por exemplo, nas Ramblas, tem um monte dessas estátuas vivas, cada uma com um figurino mais criativo que a outra, tentando surpreender os turistas das mais diversas formas.

Dizem que Praga também é uma cidade bem animada, né?! – comentou Kami – Com muitos artistas de rua e…

Nesse momento, Kamila foi interrompida por um voz sinistra vinda do fundo da sala:

– Lá é onde estão as catacumbas, não é?! huahuahuahuahua.

Kamila se assustou, pra variar. Mas a risada sinistra logo transformou-se em uma gargalhada alegre. Diogo entrou na sala e, aproveitou que já ouvia os amigos há algum tempo, para entrar também na conversa:

– Brincadeira, pessoal. Praga é uma cidade superanimada, sim. – comentava Diogo, enquanto cumprimentava os amigos – Eu me surpreendi quando fui pra lá porque tinha essa expectativa meio sinistra da cidade e acabei descobrindo uma capital extremamente jovem, artística e cheia de cultura. Tenho umas fotos aqui, oh:

artistas de rua na praça de Praga – Estante de Viagens

– Isso é na Praça Jan Hus, da Cidade Velha. – comentou ainda Diogo – Imaginem só. Essa banda celta aí era muito boa.

– Banda boa foi a que eu vi na Marienplatz, em Munique. – empolgou-se finalmente o Fred, que havia começado toda a conversa – Já que todo mundo ’tá mostrando seus videozinhos, também vou mostrar o meu. Olhem aqui. Violoncelo, contrabaixos, violino e muito talento nas ruas de Munique:

E você, Zeca, não vai falar nada? – perguntou Gabí ao amigo surfista com jeitão de galã, que estava sentado ao seu lado e mudo desde o início.

Hmmm, eu tava aqui só ouvindo vocês e pensando. – Zeca decidiu, enfim, se pronunciar –
Nesses meus 35 anos, eu nunca saí daqui de Floripa. Não tenho esses exemplos de artistas de rua mundo afora que vocês têm. E também percebo, como vocês dizem, que aqui no Brasil não tem mesmo todo esse incentivo pras pessoas saírem tocando trombones, violoncelos e violinos pelas ruas, fazendo teatro ou sei lá o quê… não só porque falta educação cultural, mas talvez até pelo preço desses instrumentos… talvez porque eles seriam assaltados na primeira esquina em que tocassem… Nosso problema é bem mais estrutural, eu acho. Não adianta uma reformazinha aqui e outra ali. É preciso repensar todo o sistema… sei lá… Acho que a gente luta com as forças que a gente tem. Olha a arte de rua aqui em Floripa, por exemplo.

– O quê, você tá falando daqueles malabaristas argentinos nos semáforos? – interferiu Gabí em tom de deboche.

– Não. To falando do graffiti, por exemplo. Eu sei que tem grafiteiros no mundo inteiro.
Mas é uma arte transgressora. Eu acredito que o graffiti é uma forma de demonstrar que a gente também luta pela arte.

Armazém Vieira – grafitado por Paulo Gouvêa, Driin, Marcelo Barnero, Dogz e Toy Urban Art.

É, como já diziam os Titãs – comentou Diogo – a gente não quer só comida, a gente quer bebida, diversão e arte.

Eu diria mais – completou Laura – a gente quer menos desigualdade, menos corrupção, mais educação e mais incentivo à cultura.

– E que bom que é assim – concluiu Ju – Afinal, querer sempre mais é uma parte do que nos faz humanos, não é mesmo?! …eternamente buscando algo, eternamente aprendendo e transformando a vida em arte.

Se você gostou da história, veja as dicas de viagem da Estante, comente e compartilhe nas redes sociais.

DICAS E COMENTÁRIOS DA ESTANTE:

plano de reforma do Ensino Médio

Referência à Medida Provisória apresentada pelo Governo Federal Brasileiro em 22/09/2016, que diz respeito à mudanças consideráveis no Ensino Médio de todo o país, em relação à carga horária, ao conteúdo e ao formato das aulas, bem como a elaboração dos vestibulares e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Se aprovadas pelo Congresso, as mudanças devem entrar em vigor a partir de 2018.

Calle Florida/este instrumento… parece uma nave espacial…

sobre BUENOS AIRES

Restrita a pedestres e tendo cerca de 1 km de extensão, a Calle Florida é uma das principais ruas comerciais e turísticas de Buenos Aires, com bancos, restaurantes, cinemas e outros tipos de serviços. Uma de suas extremidades ainda está próxima à atrações como a Casa Rosada e o Café Tortoni. Pelo caminho, lojas dos mais variados tipos, hermanos oferecendo câmbio de moedas, bancas de revistas, cores e mais cores, um movimento diurno incrível, além de diversos artistas de ruas, como o que é mostrado no vídeo.

O instrumento em formato de óvni tocado pelo artista de rua argentino chama-se hang ou hang drum e foi criado na Suíça em 2001 por Felix Rohner e Sabina Scharer, com influência dos tambores de aço caribenhos, mas para ser tocado com as mãos.

Feira de San Telmo

sobre BUENOS AIRES

A Feira de San Telmo acontece, em Buenos Aires, todos os domingos (desde 1970) no bairro de San Telmo e, além de antiguidades e obras de arte, há milhares de outras coisinhas à venda, de latinhas vintage a cristais, de talheres a temperos, de sapatos a souvenirs. A visita é uma experiência quase antropológica, reunindo mais que milhares de turistas, artistas porteños, cultura local e muita diversão.

Dança do Voador da cultura Totonaca

sobre a CIDADE DO MÉXICO

O povo indígena Totonaca foi o primeiro que os espanhóis encontraram ao chegar à costa Leste do México em 1519. Atualmente, a Dança do Voador continua sendo um poderoso símbolo dessa cultura, consistindo em: quatro homens pendurados de cabeça para baixo (representando a terra, o vento, o fogo e a água) amarrados por cordas em um poste central (que representa o Sol). De ponta cabeça, os quatro dançarinos rodopiam ao som de uma flauta e de um tambor, como se os quatro elementos girassem em torno do astro rei, em louvação à felicidade e à fertilidade. Um dos locais para apreciar a Dança do Voador da cultura Totonaca é a feira que acontece em frente ao Museu de Antropologia Nacional, na Cidade do México.

Galeria Vittorio Emanuele

sobre MILÃO

Construída entre 1865 e 1877, a Galeria Vittorio Emanuele, em Milão, é um dos centros comerciais mais antigos do mundo e abriga alguns dos mais antigos comércios da capital italiana. Nem por isso o local deixa de lado sua elegância e suntuosidade. Na prática, a Galeria é uma luxuosa passagem da Praça do Duomo (catedral) para a Praça Scala, coberta por teto de ferro e vidro e repleta de grifes famosas, como Prada, Louis Vuitton, Gucci e Armani, entre outros comércios e serviços de luxo. Além dos frequentes transeuntes milaneses, o local reúne também inúmeros turistas (os quais muitas vezes podem ser encontrados girando o calcanhar sobre o mosaico de um touro no piso central da Galeria: dizem que o giro traz sorte e garantia de voltar à cidade).

Ramblas

sobre BARCELONA

Provavelmente, esta é a avenida mais turística de Barcelona. E também a mais arborizada. A avenida La Rambla (ou Las Ramblas) estende-se desde a central Plaza Catalunya até o Port Vell (o antigo porto de Barcelona), já junto ao mar. A famosa avenida também serve de divisão entre o Bairro Gótico (à esquerda de quem desce para o mar) e o El Raval (à direita). E ao longo da via estão alguns dos ícones de Barcelona, como o Mercado La Boquería, o Grande Teatro do Liceu e o Monumento a Colombo. O resultado são centenas de milhares de turistas diariamente, passeando entre os quiosques de flores, as tendas de comércio e os artistas de rua que ajudam a povoar ainda mais o local.

as catacumbas

sobre PRAGA

A capital da República Checa é conhecida por sua beleza arquitetônica. Mas além desses tesouros mais visíveis, o subterrâneo da cidade de Praga guarda ainda outras surpresas. Afinal, no século XIII, a antiga Cidade Velha (Staré Město) foi soterrada com os lixos e entulhos da Cidade Nova (Nové Město) que estava sendo construída, a fim de elevar a altitude da região prevenindo-a de inundações. Assim, a Praga atual preserva ainda inúmeros túneis e salões escondidos sob o seu subsolo. Existem verdadeiros labirintos subterrâneos abaixo de algumas igrejas e mosteiros medievais, além de ruas inteiras preservadas sob alguns edifícios. Os escritórios de turismo da cidade oferecem tours guiados pelo subterrâneo de Praga.

Praça Jan Hus, da Cidade Velha/banda celta

sobre PRAGA

A Praça da Cidade Velha é um espaço histórico, rodeado por alguns dos ícones arquitetônicos de Praga, além de abrigar o Relógio Astronômico (Orloj) e a estátua de Jan Hus, bem ao centro. A saber: Jan Hus foi um reformista religioso, queimado vivo por suas crenças, com grande influência na atual religião checa. A Praça é também um importante espaço turístico, concentrando inúmeros comércios e serviços, além de muitos artistas de rua, como a banda celta mostrada na foto, com sua tradicional gaita de fole e seus sapatos à la poulaine (estilo Aladdin).

Marienplatz, em Munique

A Marienplatz (Praça de Maria, em português) é um dos principais pontos turísticos e um dos mais famosos cartões-postais de Munique. No local, encontra-se a Nova Prefeitura (Neues Rathaus) em estilo neogótico e a coluna de Maria (Mariensäule), além de muitas lojas, restaurantes e outros serviços.

malabaristas argentinos nos semáforos

sobre FLORIPA

Talvez pela proximidade entre a capital porteña e a capital de Santa Catarina, a cidade de Florianópolis atrai muitos argentinos, não só turistas, como também novos moradores, incluindo jovens que chegam à ilha e acabam encontrando formas alternativas de sobrevivência, como os citados artistas de rua, bastante comuns em Floripa.

a gente não quer só comida, a gente quer bebida, diversão e arte

Referência à música Comida, de 1987, do grupo de rock brasileiro Titãs.

Se gostou da história, comente: