A RAIZ HIPPIE DE IBIZA

Ao som dos tambores de Benirrás

 

 

 

Essa ilha tá diferente.

Já nem se parece mais

Com aquele paraíso

hippie de anos atrás.

 

 

Essa ilha tá decidida

a se supermodernizar.

Só fuma um escondida,

que é pra ninguém reparar.

 

 

Mas ainda cultiva flores e tambores,

Achando que é muito bom.

E é nas areias de Benirrás

que ela vai desinventar o som.

 

 

Faz o entardecer de domingo

virar perfeita emoção.

Junta famílias, nativos e gringos,

todos em volta da percussão.

 

 

entardecer de domingo em Benirrás, Ibiza – Estante de Viagens

 

 

Mais uma conga vai,

Mais um djembe vem.

E a roda não se desfaz.

Mas o que é que tem?

Se, no fundo, o sol se põe

E tudo combina tão bem.

 

 

Mais uma conga vai.

Mais um tamborim vem.

E a roda não se desfaz.

Mas o que é que tem?

Se do lado esquerdo da praia

Tudo matiza tão bem.

 

 

 

 

Tamborada em Benirrás, Ibiza – Estante de Viagens

 

 

 

Essa ilha tá diferente.

Já nem se parece mais

Com aquele paraíso

hippie de anos atrás.

 

 

Essa ilha é a tal Ibiza

Que não se cansa de badalar

Mas é só de junho a setembro

Que o mundo inteiro está por lá

 

 

inscrições em Atlantis, Ibiza – Estante de Viagens

 

 

E um djembe vai.

Mais um pandeiro vem.

A roda não se desfaz.

Mas o que é que tem?

Se, no fundo, o sol se põe

E tudo combina tão bem.

 

 

Mais uma conga vai.

Mais um tamborim vem.

E a roda não se desfaz.

Mas o que é que tem?

Se do lado esquerdo da praia

Tudo matiza tão bem.

 

 

 

 

Se gostou da história, confira as DICAS de viagem da Estante,
comente e COMPARTILHE nas redes sociais. 

 

 

 

DICAS E COMENTÁRIOS DA ESTANTE:

 

 

 

Essa ilha tá diferente

Este texto é uma paródia da música Essa Moça Tá Diferente, do mestre Chico Buarque de Hollanda. A escolha de criar uma paródia a partir de uma música consagrada foi para narrar a experiência musical vivida em Benirrás, uma das praias de Ibiza. A escolha específica dessa música foi feita devido à facilidade de aproximação de sentidos com o que se pretendia transmitir: a transformação gradativa de um ritual musical já tradicional da ilha, ocorrida em decorrência de outras mudanças na própria Ibiza.

Obs.: O texto nem de longe tem a pretensão de comparar-se à obra original de Chico Buarque, aproveitando-a apenas no sentido de agregar sensação melódica à narrativa.

paraíso hippie

Desde o final dos anos 30, Ibiza já era conhecida como um lugar de liberdade de pensamento e de expressão, onde diversos artistas, escritores e políticos iam refugiar-se da ditadura franquista.

Com a explosão do movimento hippie, nos anos 60, a ilha de Ibiza ganhou fama ainda maior. Era (talvez) o equivalente europeu de San Francisco (California). Uma ilha paradisíaca onde o estilo de vida Flower Power encontrou perfeita sintonia com a natureza exuberante e as praias de águas transluzentes.

supermodernizar

Em meados dos anos 80, a cena hippie que se via em Ibiza começou a ser modificada, com a maior exploração imobiliária, a abertura dos grandes club’s de música eletrônica e a atração de muitos turistas do jet set internacional.

Atualmente, a imagem mais comum que se tem da ilha é exatamente dessas festas e desse tipo de turista. Mas ainda é possível encontrar a raiz hippie de Ibiza em alguns locais e momentos especiais, como narra o texto.

Benirrás /entardecer de domingo

A praia de Benirrás (Cala Benirràs ou Port Benirràs) está localizada no litoral Nordeste da Ilha da Ibiza, no município Sant Joan de Labritja. É uma praia de enseada com aprox. 300 m de comprimento, abrigada em meio a penhascos cobertos de pinheiros. Suas águas claras são ideias para o snorkeling, mas também são bastante aproveitadas por iates e pequenos barcos. Do lado direito da praia, há ainda algumas cabanas de pescadores.

by Estante de Viagens

No entardecer, Benirrás vive um de seus momentos mais sublimes, já que o sol se põe no mar, bem junto à icônica rocha de Cap Bernat – uma ilhota em frente à praia, com formato singular. Aos domingos, esse visual é desfrutado por quem participa do Dia dos Tambores, um ritual musical de protesto e celebração à vida, iniciado por hippies e ativistas antiguerra e que até hoje ocorre semanalmente nas areias de Benirrás. 

conga /djembe /tamborim

Como mencionado, o Dia dos Tambores em Benirrás foi uma tradição introduzida por hippies e ativistas. A princípio, nos anos, 60, a população predominantemente hippie da ilha começou a fazer esporádicas festas da lua cheia na praia. A prática declinou nos anos 80, mas foi retomada nos anos 90, com a nova proposta do Dia dos Tambores, iniciativa de ativistas, hippies e simpatizantes em protesto às Guerras do Golfo e do Iraque.

Nesse contexto, os instrumentos principais que eram utilizados no Dia dos Tambores eram a conga (tambor semelhante ao atabaque, usado em pares ou trios), o djembe (ou djembê, tambor de origem africana) e os bougarabous (também de origem africana, semelhantes aos djembes).

Atualmente, porém, com a expansão do turismo na ilha, principalmente no Verão, há cada vez menos hippies na condução da tamborada e cada vez mais turistas e aficcionados por percussão unem-se ao ritual, trazendo seus instrumentos diversos, tamborins, pandeiros, timbaus, etc., como mencionado na história.

de junho a setembro

A imagem que é vendida de Ibiza – repleta de bares, baladas e clubes, com festas sem hora pra acabar – corresponde apenas a uma das temporadas da ilha. Afinal, os clubes de música eletrônica só começam a abrir em junho e fecham as portas novamente em setembro. Fora desse período, a ilha é bastante pacata, há poucos turistas e pode-se conhecer outra faceta desse paraíso, bem pouco divulgada pela mídia.

Leia mais sobre Ibiza

Acampar em Ibiza

Será que é uma boa ideia?

 

 

Se gostou da história, comente: